III FÓRUM EXTRAORDINÁRIO: O PROGRESSO DAS SOCIEDADES

III FÓRUM EXTRAORDINÁRIO: O PROGRESSO DAS SOCIEDADES

premio1

Estado do Fórum

Tema: aberto
Concurso: finalizado

 

Data de realização

O concurso realizou-se de 8 a 12 de Julho de 2013.

 

Apresentações Premiadas

MANUEL

Se desejamos que a sociedade progrida, devemos fazer com que seja feliz. Ou seja, que a maioria dos seres humanos que a compõem se sintam felizes. As sociedades que hoje vejo como mais felizes são aquelas em que existe mais razoabilidade e maior igualdade entre os seres humanos que as compõem. Atrevo-me a dizer que são as sociedades que compõem os países escandinavos. Onde se observa o equilíbrio harmonioso do conhecimento, da moral e da arte que também é o da verdade, da bondade e da beleza. Parece que estas sociedades têm uma natureza que lhes exige muito para viver o dia-a-dia e que talvez devido a esse motivo, desenvolveram uma grande capacidade de convivência. Por outro lado, está-se a contaminar o planeta de tal maneira, que hoje mesmo, precisávamos que a superfície da terra fosse uma vez e meia maior que a actual para poder mantê-la de forma sustentável. Isto deve-se aos níveis excessivos de consumo e actividades que desenvolvemos que contaminam terra, água e ar. Necessitamos de acordar prioridades, para actuar de forma a “conseguir uma sociedade sustentável”. Para o conseguir, precisamos de construir uma estrutura que nos permita alcançar esse objectivo: convivência e governabilidade de uma sociedade cujo objetivo seja “conseguir que os seres humanos que a compõem tenham uma melhor qualidade de vida na Sociedade, de forma Sustentável e com Projecção de Futuro. Que tenham como valores a fé, a esperança e a alegria, onde reine o amor, a liberdade, a justiça, a paz e a verdade, onde se reforce permanentemente a participação, a cooperação e a solidariedade de forma a que os membros da referida sociedade possam ter a possibilidade de distribuir as suas horas do dia harmoniosamente dedicadas à família e amigos, ao seu trabalho, à sociedade e ao descanso. Que as prioridades da estrutura de governo desta sociedade sejam determinadas pelas necessidades humanas que podemos sintetizar por: alimentação, meio ambiente, energia, habitação, educação, saúde, vestuário, trabalho-emprego, lazer, cultura, informação, comunicação, transporte, segurança, espiritualidade e ou religião, participação de cidadania, distribuição do tempo de cada dia dos seres humanos que compõem esta sociedade. Além disso, a estrutura integra os recursos: naturais, económicos e financeiros e a informação de sondagens, estatísticas e de estudos prospetivos. A organização necessária tendo em conta o objetivo, os valores, as necessidades humanas e os recursos, origina a formação dos ministérios ou departamentos de estado que o governo irá gerir para conseguir uma sociedade sustentável. Ou seja, para potenciar o progresso das nossas sociedades temos de exigir sistemas democráticos de governo cujas estruturas adotem uma visão de longo prazo. Sendo que a educação é o principal fator da promoção humana.

 

TINA

Entendemos a sociedade como um grupo de indivíduos com uma cultura em comum, a qual condiciona os costumes, hábitos e práticas dos seus membros no enquadramento de uma comunidade. Em relação a isto, entendemos que o progresso de uma sociedade está intimamente ligado, por um lado, ao estilo de vida dos indivíduos que a integram, e por outro, ao que cada sociedade entende como progresso no contexto da sua própria cultura.

Em conjunto com o estilo de vida emergem valores, costumes, hábitos, vínculos e projetos de vida que irão influenciar de forma linear os modos de habitar, entendidos como acções quotidianas. Tanto os estilos de vida como os modos de viver serão refletidos no seu habitat, que é transformado por um ambiente em constante mudança e adaptação que reflecte desta maneira os estilos de vida e os modos de viver.

Esta sequência cíclica é a retroalimentação entre a sociedade e o que cada cultura cria como ambiente habitável. Pode dizer-se que o conceito progresso se renova ciclicamente dando lugar a novas mudanças, sempre como consequência da tensão que existe entre a sociedade e os estilos de vida dos seus membros.

Estes conceitos podem ser verificados ao fazer-se um retrocesso temporal de, aproximadamente, uns cem anos, onde os avanços que trazia a indústria à vida quotidiana criavam alterações importantes na forma do habitat, dando lugar em seguida às ideias centrais do Movimento Moderno sobre a formação familiar, entendendo-a como básica e mono-funcional. A partir dos anos 60, aprofunda-se esta conceção como um problema social, convergindo na sua conceptualização como um progresso participativo e evolutivo e não como um produto finalizado da família tipo. Os nossos tempos continuam a reclamar flexibilidade e versatilidade quando as necessidades estão em mudança constante e movimento, expressando-se de diversas maneiras tanto quanto possível, evidenciando a transformação da sociedade.

Além da necessidade de querer manter firmes os nossos costumes como sociedade, é inegável que nos encontramos com novas formas de trabalho, de relações, de consumo, de lazer, de pensamento, com uma grande variedade de classes, de grupos, de línguas, de interesses, dessas mesmas necessidades que põem em jogo as suas diversidades significativas. A sociedade mudou, evoluiu. Os modos de viver vão-se alterando, vão-se transformando.

Se adotarmos essa perspetiva histórica, podemos interpretar que essas alterações podem ser circunstanciais, mas o que não é, o que é permanente nestes tempos é precisamente a mudança. A mudança é uma constante contemporânea, as transições são inatas à natureza evolutiva, à dinâmica de cada grupo familiar e social. Tentámos mostrar e comprovar que o conceito de progresso está sujeito genericamente à mudança que a sociedade deseja num momento determinado. Uma sociedade progressista é a que faz época encontrando as maneiras de ligar arte, vida e costumes; não importa o modo como liga, mas sim que ao fazê-lo se transforme.

Agradecimento

O Capítulo Argentino do Clube de Roma agradece a participação dos oradores e de todos os que comentaram e votaram as apresentações, assim como a todos os que acompanharam a sua leitura.

As apresentações foram muito interessantes, em especial os aspetos de cada uma delas que passamos a destacar, os quais podem considerar-se fundamentais para desenvolver modos mais amigos do desenvolvimento e avanço social:

Na exposição de Guille84, a ênfase na costela espiritual da natureza humana como equilibrador necessário do progresso material.
Na exposição de marianoturziy, o progresso como um processo, como um projeto superador; o esforço para sermos melhores e reforçar os melhores aspetos do homem.
Na exposição de MarianitaD, o conceito de “desenvolvimento sustentável” como guia do progresso, e o abandono do antropocentrismo.
Na exposição de Caruli72, a importância de esforçar-se pelo que está por fazer e contribuir com o que cada um possa contribuir.
Na exposição de Tina, a renovação cíclica do conceito de progresso, e a necessidade da flexibilidade e da versatilidade numa realidade com necessidades em constante mudança e movimento; a transformação que surge a partir da ligação da arte, da vida e dos costumes.
Na exposição de Manuel, a procura da felicidade para progredir; o equilíbrio harmonioso entre o conhecimento, a moral e a arte; elevar a qualidade de vida de forma sustentável; a projeção do futuro.
Na exposição de Denis H., o progresso como processo endógeno, como aquilo que surge a partir da estrutura organizativa; a ética e a demanda ética.
Na exposição de Sara, a importância de conhecer a dinâmica dos sistemas naturais; o praticar valores e realizar ações que engrandeçam o espírito; o consumo ético; a necessidade de líderes cempenhados; uma nova educação.
Na exposição de csciccone, a importância da responsabilidade individual que deve asumir-se quotidianamente em busca do desenvolvimento sustentável; a necessária tarefa de consciencialização; o respeito pelas futuras gerações; o controlo de Estados e organismos supranacionais em busca do desenvolvimento sustentável.

As apresentações suscitaram as seguintes reflexões:
A questão sobre como se quer viver e evoluir de forma mais equilibrada no mundo talvez se erga como uma das particularidades inéditas da história, porque a mesma surge, de maneira comum, em todos os estádios da vida humana, e atravessa as diferentes sociedades e culturas do planeta como nunca antes. Atualmente realizam-se variadas ações tendo como guia o conceito de desenvolvimento sustentável; isto pode ser uma prova da intenção real de dar respostas satisfatórias àquela questão transcendental.

A tomada de consciência da importância que tem no saudável desenvolvimento da vida do homem muitos dos aspetos assinalados nas apresentações (a felicidade, a espiritualidade, o amor, a ética, etc.), encontra-se, ao que parece, num processo de expansão e consolidação.

Se bem que os aspetos considerados negativos da realidade podem frequentemente fazer-nos duvidar daquilo, estes aspetos não neutralizam nem suprimem o processo expansivo do despertar da consciência, o qual tem a ver, em parte, com a compreensão ética e a assimilação espiritual do erro que significa o avassalamento do outro, seja outro homem ou outra entidade da vida; isto significaria um passo importante rumo à naturalização do respeito pelo outro, praticado já a partir de uma cosmovisão biocêntrica.

A obtenção do desenvolvimento sustentável depende em grande medida da referida assimilação e prática, já que não parece possível alcançar um nível de desenvolvimento sustentável, estável e duradouro, sem aplicar, no mínimo, ética meio-ambiental, a qual inclui nas suas perceções questões como a produção sustentável, o consumo responsável e a responsabilidade individual no concerto da vida, entre outras.

A atual preocupação pelo impacto ambiental que tem o nosso modo de viver e a consequente ação de um número cada vez maior de pessoas e instituições para evitar os danos ambientais e procurar práticas sustentáveis, podem ser um sinal do mencionado despertar da consciência.

Fazer coincidir desenvolvimento e progresso com sustentabilidade é um dos grandes desafios do nosso tempo. Em certa medida começou-se a trilhar este caminho; e dependerá do empenho com que se o encare o maior ou menor tempo que levará a estabelecer no mundo uma forma de vida sustentável.

O caminho de desenvolvimento e progresso sustentável também parece estar a destapar rapidamente o valor da costela espiritual do homem, entendida e praticado na sua forma mais básica: o amor. Embora existam dificuldades para a sua prática devido ao tipo de sistema vigente, pode observar-se uma expansão do amor, em princípio, na relação com a vida natural.

O respeito pelo meio ambiente, pela vida, é fundamental no processo de direcionamento do nosso modo de viver rumo a um que seja sustentável. O amor potencia, garante e consolida este caminho de melhoria indiscutível.

Tal como ficou expresso nas exposições apresentadas, são múltiplos os fatores que entram em jogo no progresso das sociedades. Cabe também assinalar que a criatividade e o engenho estão entre os fatores mais procurados hoje em dia devido às urgências meio-ambientais conhecidas, e estes fatores dependem muito da busca apaixonada do novo, do superador, do útil, do bom e do conveniente.

 

Apresentações premiadas

Nesta ocasião, o Capítulo Argentino do Clube de Roma decidiu outorgar um primeiro e um segundo prémio.

O primeiro prémio foi outorgado a Manuel. Cabe a todos os atores da sociedade procurar a felicidade, criar as condições para a projeção do futuro e esforçar-se por elevar a qualidade de vida. É muito interessante assinalar estes aspetos como indicadores de progresso numa sociedade.

Constatamos apenas que a sua exemplificação dos países escandinavos merecia uma análise mais profunda, tendo em conta a problemática dessas sociedades tão admiráveis como complexas.

O segundo prémio de $3000 foi atribuído a Tina. Foi valorizada a sua ideia da transformação que surge da ligação entre arte, vida e costumes. É de esperar que o encontro que pode ocorrer entre esta ligação e a aparente expansão da consciência, acima mencionada, dê lugar a transformações inéditas e inesperadas.

Também foram muito interessantes as noções de flexibilidade e versatilidade, as quais podem ser executadas com maior facilidade naquelas sociedades livres da intenção de fazer encaixar as ações em esquemas concetuais rígidos ou corpos ideológicos definidos.

Fotos

premio2Manuel Augusto Greco

premio2Agustina Fae

{content-mooaccordion id=’ac1′ template=’2′ allowallclosed}

No Hay Comentarios

Agregar Un Comentario