IV Fórum Extraordinário: O desporto no mundo actual

IV Fórum Extraordinário: O desporto no mundo actual

Estado do Fórum

Tema: aberto
Concurso: terminado

 

Data de realização

O concurso realizou-se de 26 a 30 de Maio de 2014.

 

Apresentação premiada

Sara

É fundamental não esquecer que o significado pessoal do desporto é muito complexo, algumas pessoas podem fazer exercícios por se sentirem melhor, outras podem procurar a excitação e o alto risco, alguns fazem-no para perder peso, outros para conseguir viver sãos durante 100 anos e outros com o objetivo de integração social.

Ou seja, aquele que mantem um estilo de vida ativo tem as suas próprias motivações.

Daley A. J. (2002) apontava “que as crianças veem o desporto e as atividades físicas extraescolares, como unicamente para aqueles capazes, talentosos e bons desportistas.” 

Pensamento que se gerou talvez porque nas escolas tradicionalmente eram desenvolvidas atividades físicas extraescolares com participação competitiva e aulas de educação física sem diretrizes para a preparação da sensibilidade adulta.

Esta ênfase foi negando a muitas pessoas a oportunidade de participar em atividades quotidianas, das quais podem obter uma satisfação e a inclinação para continuar ativos ao longo da sua vida.

A minha atividade atual é realizar controlos preventivos em adultos desde os 20 aos 70 anos, que inclui a realização de História Clínica, biométrico básico, controlo clínico e cardiológico.

Obtendo a partir de aqui um sutil conhecimento de que a grande maioria das pessoas se encontram com fatores de risco elevado para desenvolver doenças, outras têm doenças como hipertensão, diabetes, hipotiroidismo e desconhecem-no.

São causa de doenças os estilos de vida como formas de alimentação, o stress e o sedentarismo. Muito poucas pessoas incluem o desporto dentro das suas atividades diárias.

Roberts Brodie (em 1994) já afirmava que o desporto é a atividade de uma minoria entre uma grande maioria de gente inativa.

De acordo com o mencionado anteriormente já existem publicações de que a UNICEF está incorporando o poder e o potencial do desporto, da recreação e do jogo no seu trabalho em países de todo o mundo.

A realidade de hoje, mostra adultos sedentários, atrevo-me a dizer que o avanço de tecnologias, a insegurança reinante, parece que contribuíram para que uma grande maioria deixe de lado as atividades desportivas, extinção de jogos em baldios, por exemplo.

Deixando vislumbrar que o desporto não está sendo tido muito em conta como parceiro no desenvolvimento de sociedades mais saudáveis.

Existem algumas propostas para o desenvolvimento de práticas físico-desportivas na sua vertente mais positiva, também se podem ver reclamações às políticas de gestão para que tenham em conta o desporto em todas as suas dimensões, pedidos que exigem uma maior atenção para a educação física e o desporto escolar nos planos educativos e formativos, de forma a estimular os estilos de vida ativos e saudáveis.

A prática desportiva pode ser parte da formação integral do ser humano, intervém em todas as suas dimensões, biológica, psicológica e social. 

Quer dizer que não só intervém desenvolvendo resistência física mas também se repercute na parte emocional e social da pessoa. Por exemplo, estimula o sentimento de fair play, respeito pelas normas, esforço coordenado, solidariedade nas relações interpessoais, criatividade e iniciativa das pessoas ou grupos, estabilidade emocional, melhora a autoestima, diminui o stress e a ansiedade.

Existem trabalhos sobre o desporto e a sua contribuição para a saúde física, onde se refere que melhora a memória, a autonomia, a sensação de bem-estar, produz estabilidade na personalidade, caracterizada por otimismo, euforia e flexibilidade mental.

A este respeito, devemos ter em conta que as práticas saudáveis são fundamentais tanto para a saúde infantil como para a qualidade de vida dos adultos.

No V Congresso da Sociedade Espanhola de Nutrição Comunitária destacou-se a importância da realização de atividades desportivas para o desenvolvimento dos aspetos físicos, psíquicos e sociais.

Além disso, o desporto tem uma grande influência na prevenção de doenças como a obesidade, hipertensão e diabetes.

O desporto abre a porta tanto ao desenvolvimento como à participação, estimulando aptidões como o espírito de equipa, a comunicação, a negociação e a liderança, destacando ainda a participação e a inclusão de todos os grupos na sociedade, qualquer que seja o género, a idade ou a etnia.

Além disso, traz diversão aos participantes.  O fenómeno da globalização implica a integração, em todos os terrenos, de todo o mundo.  As redes de comunicação (rádio, tv, Internet, telefone) mantêm ligados todos os países do planeta. 

Neste contexto insere-se o fenómeno migratório. Fluxos de população que constituem um desafio à nossa sociedade, que enfrenta o fenómeno da diversidade cultural e que questiona sobre o modo de viver juntos, o modo de entender a sociedade e que convida a pensar numa humanidade como comunidade, na qual temos de conviver, aceitarmo-nos, entendermo-nos, respeitarmo-nos e construir juntos. 

Aprender a viver juntos, o aprender a conviver apenas se consegue conhecendo melhor os outros, a sua história, as suas tradições, a sua espiritualidade, para criar um espírito novo que impulsione a realização de projetos comuns ou a solução inteligente e pacífica dos inevitáveis conflitos são os desafios do futuro.

A educação tem a missão de contribuir para que o desenvolvimento da capacidade e competências necessárias para nos movermos num mundo global e diverso, para reconhecer e saber interagir com outras culturas diferentes.

No meu entender, o desporto deve ser um dos pilares fundamentais para conseguir a missão. 

 

Agradecimento

O Capítulo Argentino do Clube de Roma agradece a participação dos expositores e de todos os que comentaram e votaram nas apresentações, assim como de todos os que acompanharam com a leitura das apresentações.

Todas as contribuições contêm elementos interessantes. Destacamos de seguida os mais significativos:

Da exposição de Susana Zeballos, destacamos a conceção do desporto como base de sustentação de aspetos fundamentais da vida social.
Na apresentação de caruli72, acentuamos o aperfeiçoamento que se consegue com a prática de uma modalidade e a aprendizagem dos valores envolvidos.
Na apresentação de Maurinhos5, destaca-se a sua referência sobre a influência que tem o desporto nos aspetos que fazem a evolução da vida social; o desporto como formador de pessoas e como atividade humana lúdica, útil para o aperfeiçoamento da técnica; o desporto como estimulante do sentimento fraternal.
Da reflexão de csciccone, sublinhamos o papel dos desportistas como agentes transmissores de rasgos idiomáticos e culturais e a necessidade de realçar o valor humano do desporto acima do valor monetário.
Na exposição de marianoturziy, sobressai a ideia de aprender a canalizar as fortes energias de tom fraternal e de unidade, como a gerada por um mundial, para projetos de unidade nacional.
Na proposta de Tina, distinguimos a sua contribuição sobre a qualidade comunicacional do desporto; o desporto como contentor social; o desporto como linguagem lúdica para as relações sociais.
Da apresentação da Sara, valoriza-se a necessidade de integrar o desporto como atividade diária para fomentar estilos de vida ativos e saudáveis; a importância do desporto como contributo para a formação integral do ser humano; o desporto como um dos pilares fundamentais da educação.

As apresentações suscitaram as seguintes reflexões:
A ideia de propor o desporto como um dos pilares fundamentais da educação é muito interessante. Se no sistema educativo se colocasse o ênfase no conceito de desporto mais do que no conceito de atividade física, se abrir-se-ia muito provavelmente um âmbito mais propício ao estímulo e desenvolvimento de aspetos positivos que não chegam a ser estimulados nem desenvolvidos sob a tradicional disciplina de “educação física”.

No sistema educativo tradicional costuma colocar-se o acento na atividade física mais do que no desporto no seu sentido mais completo (o desporto é jogo, entretenimento, mas também implica a aprendizagem de técnicas, táticas, estratégias, concorrência saudável, respeito, solidariedade, etc.). Atividade física e desporto nem sempre coincidem. O desporto implica necessariamente a atividade física, que está nele incluída, mas o inverso nem sempre ocorre. Por isso, possuindo o desporto um “estatus maior” relativamente à mera atividade física no que se refere a potencialidades de estímulo e desenvolvimento de aspetos positivos, seria oportuno que o sistema educativo tradicional pesasse ambos os tipos de atividades, seja para confirmar a continuidade e preponderância de uma sobre a outra, seja para privilegiar e expandir o desporto nos seus múltiplos tipos e variantes.
Aparentemente, a passagem da “educação física” para o “desporto” nas escolas poderia significar um avanço rumo a uma instância mais completa da formação dos indivíduos e das sociedades.

Como pudemos observar nas apresentações, o desporto traz benefícios em muitos aspetos que vão desde o físico ao psicológico, desde o simples entretenimento saudável à competição, desde o plano individual ao plano social, etc.

A nível individual, a pessoa pratica e experimenta valores e emoções, tanto nos desportos individuais como de grupo. Além disso, o indivíduo pode experimentar o que significa um processo de aperfeiçoamento pessoal, íntimo, a partir de uma prática, com o particular detalhe de que esse processo se realiza de forma lúdica, alegre, e não necessariamente com o objetivo concreto de melhorar em determinada prática. A pessoa pode, eventualmente, querer adaptar esse mesmo processo experiencial a outras áreas da sua vida.

A nível de grupo, o desporto implica uma aprendizagem e uma prática de valores, e uma retroalimentação de emoções. O encorajamento mútuo, o aprender a funcionar em equipa, o companheirismo, a diversão e demais assuntos, encontram nos desportos de grupo um âmbito para a sua aplicação. O desporto de equipa significa uma boa experiência de vida: a experiência de interagir e de se relacionar com os outros pondo em prática valores éticos.

Aquele ou aqueles que jogam ou competem refletem muitos dos aspetos referidos, que são então resgatados e se valorizam a nível social, tornando-se transmissores de valores e geradores de energias positivas para a sociedade.

Por último, o desporto é um bom motivo para o encontro e interação entre pessoas de diferentes culturas e idiossincrasias, abrindo a possibilidade de ampliar a compreensão sobre a grande diversidade cultural de que os seres humanos são capazes.

 

Apresentação premiada

Foi decidido outorgar o prémio a Sara. A sua proposta poderá significar uma mudança importante na formação das crianças, mudança que poderia ter efeitos muito benéficos para a sociedade.

{content-mooaccordion id=’ac1′ template=’2′ allowallclosed}

No Hay Comentarios

Agregar Un Comentario